quinta-feira, 7 de julho de 2011

Mais que Vencedores


Ao comentar sobre os sofrimentos que nos atacam, o Apóstolo repete a profecia de Jesus: "No mundo, tereis tribulações". Apesar da clareza com que a Palavra trata o assunto, não nos agrada o realismo do Senhor e dos seus apóstolos. Afinal de contas, ao aceitar o Cristo, declaramos nossa disposição de viver uma vida correta, que esteja de acordo com o Senhor. Nossa decisão não agrada ao Senhor? Agrada. Quem se irrita com nossa decisão é o mundo. É Satanás. Que, autorizado por Deus, fará o possível para nos prejudicar e nos afastar de Cristo. Trata-se de uma batalha espiritual muito acima da nossa compreensão.
Querer vencer o mundo com lógica humana e com armamento humano é entrar pelo caminho da derrota. Paulo, entretanto, diz que somos destinados à vitória. A que não faz sentido nos esquecermos desta realidade. De que maneira, então, sempre nos moldarmos a esta realidade? O segredo é "em Cristo". Quem venceu o mundo foi Cristo. Quem nos separou do mundo foi Cristo. Quem nos acompanha no mundo é Cristo. Quem nos dá vitória sobre o mundo é Cristo. A comunhão regular com Cristo não garante apenas que seremos vencedores. Ela garante sermos mais que vencedores.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Ansiedade gera Depressão

Provérbios 12:25 -  A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra.

O livro de Provérbios, dentre vários ensinamentos, nos ajuda em dois grandes males contemporâneos: ansiedade e depressão. "O coração ansioso deprime o homem, mas uma palavra bondosa o anima" (Provérbios 12:25).

Por que razão a ansiedade gera a depressão? O ansioso não consegue aceitar o ritmo natural das coisas. Tudo na vida segue um certo ritmo. O ansioso não se conforma com isto e teima em acelerar os processos. Aí, como a vida continua do jeito que ela é, a ansiedade leva à depressão: à irritação, à teimosia, ao cansaço.

Qual é a "palavra bondosa" da Bíblia que "anima" o deprimido? Pedro, ao escrever sobre esta questão, nos afirma: "O Senhor não demora em cumprir a Sua promessa, como julgam alguns". Ora, se o Senhor não demora, por que achamos que Ele demora? Porque não nos submetemos ao ritmo da eternidade do Senhor, para quem "um dia é como mil anos". Quanto mais nosso coração se prende aos prazos humanos, mais o ritmo do Senhor nos angustia. Quanto mais nos concentramos na comunhão com o Senhor, mais as bênçãos do Senhor eterno vão fazendo sentido. O Senhor intervém quando chega a "plenitude dos tempos". Quando permitimos vivenciar esta plenitude, a Palavra bondosa do Senhor nos anima.